AMADO BATISTA O CANTADOR DE HISTÓRIAS ( ILUSTRE ANÔNIMO )

13 de mar de 2013


Ilustre Anônimo

 Ninguém sabia quem era aquele tal de Amado Batista, afinal, o disco tinha somente uma capa azul com o seu nome. Mas as pessoas faziam filas enormes para comprar o disco do momento, contendo a canção "Desisto". Amado chegou perto de alcançar a marca de vendagem do rei Roberto Carlos.

 Enquanto isso, Amado continuava feliz da vida, a vender discos em suas lojas. Agora, ele vendia os próprios vinis.

 Estava ele diante de milhares de pessoas à procura de sua canção, de seu disco. O seu olhar perplexo com tamanho sucesso não poderia imaginar que estava prestes a viver o seu sonho e as na fila mal sabiam que aquele humilde vendedor da RC7 era o cantor da música que elas tanto procuravam.

 Otimista como poucos, Amado tinha certeza de que um dia seria tão famoso quanto sua música.
 - Eu ficava todo feliz da vida, rindo à toa, né?! - conta ele gargalhando.

 Paralelamente ao sucesso de Amado, uma música da novela global Astro* também estourou.

 - Você deve conhecer - disse Amado.

 Nessa hora, Amado cantarolou a música, mexendo a mão direita como se estivesse regendo uma orquestra:
Parará, pararara...

 Com aquele alvoroço todo na loja, todo mundo querendo comprar o disco, um entra e sai sem tamanho, um de seus balconistas foi até Amado e perguntou:

 - Por que você não fala que é você?
 O cantor, de prontidão, respondeu:
 - Moço, no sucesso que tá, você acha que alguém vai acreditar que sou eu que canta essa música?

 O balconista deu de ombros e saiu. Foi atender mais pessoas que entravam na loja.

 - Eu não aparecia na televisão, não aparecia em jornais, revistas, não mostrava a cara, ia adiantar?
 Ninguém ia acreditar, né?! - diverte-se Amado.

 Depois que a música "Desisto" estourou, todos os dias, no fim da tarde, Amado ligava para o atacadista em São Paulo, para pedir mais discos.

 - Manda mais mil.

 O atacadista levava os discos para o cantor em Goiânia e, durante 1976 inteiro até meados de 1977, foi assim, uma loucura. Até o Eli Corrêa passou a tocar diariamente as músicas de Amado em seu programa na Rádio Tupi.

 - Tocar no Eli era fazer sucesso, revelou Sodré. Ele foi uma das pessoas mais importantes para a carreira de Amado.

 A CBS, a RCA, as grandes gravadoras da época e nais quais Amado sonhava um dia gravar, souberam  do sucesso que aquele rapaz goiano estava fazendo.
 Amado chegou a ser comparado a Odair José.

 Amado começou a ser tratado de jeito que sempre quis: como um cantor famoso. Recebeu várias propostas de diversas gravadoras, mais foi a Continental que levou a melhor. Conseguiu contratar o cantor por quatro anos e torná-lo o mais amado do Brasil. Com o contrato em mãos, Amado conseguiu abrir mais uma porta e realizar o sonho de seu amigo Reginaldo Sodré.

 Sodré, além de compositor, também queria ser cantor e tentou ir na onda de sucesso de Amado.
 Realizou o seu sonho e gravou um disco. Porém, o que era para ser um êxito foi um fracasso. A música  "Eu vou", escolhida para a divulgação do disco não foi.

 E, ao contrário de Amado, Reginaldo não teve a força de vontade de seu amigo e deixou por isso mesmo. Foi então que se tornou oficialmente o parceiro de composição de Amado.

 - A música era boa, chegou a tocar muito lá (Goiânia); mas me faltou empenho e a coragem que o Amado sempre teve - explicou Sodré.

 Com a contratação de Amado pela Continental, os amigos Oscar e Amado se afastaram, apesar do tempo, eles continuam amigos. Porém, naquele momento se encerrava uma amizade constante.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão, elogio ao nosso blog.
Esperamos fazer sempre melhor por você, nosso leitor.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
 
Copyright © 2015. BLOG AMADO BATISTA.net.
Design by Herdiansyah Hamzah. Published by Mais Template.
Creative Commons License